Baluarte Porta da Terra - paliçada ou ensecadeira?

Imprimir
O CECI foi chamado pela URB-Recife para salvaguardar os vestígios de uma construção em estacas de madeira que se acharam em frente às muralhas do baluarte Porta da Terra. Os restos de uma possível “paliçada” ou “ensecadeira” foram encontrados quando das escavações para a construção do muro de arrimo do Museu à Céu Aberto da Porta da Terra, do lado da Avenida Alfredo Lisboa no antigo bairro do Recife – PE.

A comunicação foi feita pela equipe de arqueologia que acompanha os trabalhos de escavações para a construção de muro de arrimo em concreto ciclópico, dentro do Projeto Museu à Céu Aberto da Porta da Terra. O CECI compareceu ao local junto com o Fernando Serpa, engenheiro agrônomo especialista em preservação das madeiras pela Bundesanstalt Für Materialprüfung – BAM, da Alemanha. Compareceram também ao local para autorização da remoção de algumas amostras para análises fitopatológicas o arqueólogo Paulo Tadeu e a arquiteta Fernanda Gusmão, ambos da 5ª SR/IPHAN.

A Empresa de Urbanização da Cidade do Recife - URB/Recife, estabeleceu em 2005 um convênio de cooperação técnica com o CECI para a conservação dos elementos construtivos dos vestígios do Baluarte da Porta da Terra

O CECI realizará os estudos a partir da identificação das madeiras através da anatomia macroscópica ou microscópica desde que as condições da estrutura anatómica das madeiras ainda se mantenham conservadas; da determinação do grau de conservação da superfície útil e classificação do grau de deterioração por agentes xilófagos; da viabilidade técnica para manter as estacas (paliçada ou ensecadeira) à vista no local; identificação dos agentes xilófagos causadores da deterioração da madeira; levantamento das condições ambientais da água no local como: temperatura, salinidade, teor de sílica em suspensão, ph e oxigénio dissolvido na água; técnica de preservação da madeira a ser empregada caso seja viável a manutenção das estacas no local; e os custos para implementação do processo de preservação de madeira a ser empregado, caso seja recomendado tecnicamente deixá-los à mostra.

Vista dos vestígios das estacas de madeiras cravadas no solo que, segundo o arqueólogo Paulo Tadeu da 5a SR/IPHAN, têm mais possibilidades de se tratar dos restos da ensecadeira que serviu para a construção do baluarte

Os vestígios foram encontrados a uma profundidade de 3,50m abaixo do leito da Avenida Alfredo Lisboa, no bairo antigo do Recife

Fernando Serpa fazendo considerações para Marina Cabral (CECI) sobre as possibilidades de se preservar os achados em madeira.

Amostras retiradas do local para os estudos e análises. O material estava em parte boiando n'água quando da constatação dos vestígios e parte retirado do local onde foi construído o muro de arrimo em conreto ciclópico.